segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

Remédios Caseiros para Micose na Unha - Tratamentos que funcionam!


Antes de falar mais sobre o remédio para micose na unha e as suas derivações, é primordial explicar do que é a micose. Em primeiro lugar, o nome cientifico é onimicose e é uma infecção causada por alguns tipos de fungos.

Os dois exemplos mais comuns é o bolor ou levedura, deixando a unha com um aspecto totalmente diferenciado. Trata-se de ficar com a cor amarela, deformada e grossa, portanto, é essencial ter atenção com todas essas questões.

Em regra geral, um dos tratamentos mais comuns para a onimicose é utilizar alguns esmaltes antifúngicos. O objetivo do texto é mostrar que o remédio para micose na unha pode ser feito com itens que você deve ter em casa.



Qual é o remédio para micose na unha?

Antes de mostrar mais sobre o remédio para micose na unha caseiro, é essencial mostrar as alternativas convencionais. A seguir vai ser mostrado, porém antes disso, lembre-se de pedir orientação para o médico. Veja abaixo:

·   Remédios via comprimido como: Fluconazol ou o Itraconazol

·       Outra forma eficiente são as pomadas ou mesmo uma loção, como por exemplo: o Loceryl, a Micolamina ou o Fungirox.

Para tratamentos que são caseiros, é indicado a aplicação de 3 a 4 gotas de óleo essencial de cravo da índica. Certamente, deve ser feito na unha que está afetada e ainda pelo menos 2 vezes por dia, pois o cravo tem ação antifúngica.

Vale destacar que esses óleos essenciais de orégano ou malaleuca também tem ação contra esse tipo de fungos. Desse modo, conseguem ser usados e uma forma bem eficiente de prevenção é tendo alguns cuidados, veja abaixo:
  • ·         Evite usar sapatos que sejam apertados;
  • ·         Lave e seque muito bem os pés, principalmente entre os dedos;
  • ·         Prefira meias de algodão;
  • ·         Use materiais de manicure ou pedicure próprios, portanto, não compartilhe com os demais;
  • ·         Utilize sempre chinelos em piscinas ou mesmo em banheiros públicos.

 Viu só como é fácil tratar? 

Remédio caseiro para gordura no fígado para tomar todos os dias


A gordura no fígado é também conhecida como esteatose hepática, ela é uma doença silenciosa que só costuma se manifestar em quadros mais avançados.

A doença em si não causa problemas maiores, mas se não for tratada da maneira adequada e não houver mudanças de hábitos o quadro pode se agravar e levar ao desenvolvimento de cirrose e até chegar ao ponto de necessitar de um transplante de fígado.

Existem alguns remédios caseiros que podem ajudar a controlar o quadro de gordura no fígado, mas eles nunca devem substituir o tratamento médico, servem apenas para auxiliar na melhora do problema.



Suco de melão com hortelã:


A hortelã tem propriedades que ajudam muito nos problemas gastrointestinais, ela alivia os enjoos e a sensação de barriga inchada comuns nesses casos e ainda ajuda a revitalizar o funcionamento do fígado e da vesícula biliar.

Ingredientes:
     1 fatia grande de melão;
     1 ramo de hortelã
Modo de preparo:
Bata todos os ingredientes no liquidificador e se for necessário acrescente meio copo de água filtrada para ajudar na mistura. Beba em seguida.

Chá de ispagula


A casca da ispagula tem ação no controle da quantidade de gordura presente no sangue e reduz os níveis de colesterol, assim contribui para reduzir a quantidade de gordura que fica depositada no fígado.

Ingredientes:
     10g de casca de ispagula;
     1 xícara de água.

Modo de preparo:
Ferva a água e em seguida adicione as cascas de ispagula, deixe o chá descansar tampado por pelo menos 10 minutos.Coe a bebida e consuma duas vezes ao dia.

Chá de cardo mariano


O cardo mariano tem ação adstringente que ajudam na digestão e também contribui para aliviar a perda de apetite comum nos casos de gordura no fígado.
Ingredientes:
     2 colheres de sementes de cardo-mariano;
     2 xíc. de água.
Modo de preparo:
Ferva a água e depois adicione as sementes de cardo mariano, deixe o chá descansar por pelo menos 10 minutos, coe o chá e consuma uma xícara 30 minutos antes de cada uma das principais refeições.


quinta-feira, 24 de janeiro de 2019

Anemia falciforme - Sintomas, Causas e Como acontece a doença


A anemia falciforme é uma doença hematológica e hereditária, adquirida através dos genes alterados de pai e mãe. Essa alteração causa uma deformação nos glóbulos vermelhos deixando-os em formato de foice (por isso o nome falciforme) e enrijecidos, ocasionando o bloqueio da passagem de sangue pelos vasos, e o transporte de oxigênio para os tecidos. 

     O diagnóstico da anemia falciforme se dá através do teste do pezinho realizado em recém-nascidos, e pelo exame eletroforese de hemoglobina.Um exame muito importante durante o pré-natal, pois mesmo que o indivíduo não possua a doença, ele pode apresentar traços falciformes, que podem manifestar-se em seus descendentes.



     Os sintomas mais comuns deste tipo de anemia são:

Crise de dor: Por conta da má oxigenação, gerando dor nas articulações, ossos e músculos, principalmente em períodos menstruais e tempo frio.

Síndrome mão-pé: Se dá pela dificuldade do sangue em chegar nas extremidades, causando inchaço de pés e mãos.

Icterícia: Devido ao rompimento dos glóbulos vermelhos, que liberam um pigmento amarelo no sangue, chamado bilirrubina, que faz com que a pele e o branco dos olhos fiquem amarelos.

Aumento do baço: Por ser o órgão que filtra o sangue, pode acabar acumulando-o, e impedindo que chegue em órgãos como cérebro e coração, podendo levar a morte.

Maior chance de adquirir infecções: Devido ao dano causado no baço, que ajuda a combater infecções.

     O tratamento é realizado pelo uso de medicamentos e o acompanhamento com uma equipe de profissionais, formada por:  médicos, enfermeiras, assistentes sociais, oftalmologistas, dentistas, nutricionistas e psicólogos. Em alguns casos pode ser necessária a transfusão sanguínea. 

     Apesar de ser uma opção pouco viável devido à dificuldade para encontrar doadores compatíveis, o transplante de medula óssea vem a ser uma opção de cura da anemia falciforme. Mas na maior parte dos casos apresentados, a doença não possui cura.